Breaking News
Loading...
terça-feira, 3 de fevereiro de 2015


Na Itália, um grupo montou um vídeo entrevistando meninos de idade de 7 a 11 anos, onde perguntaram seus nomes, idades e o que eles gostariam de ser quando crescerem, o motivo e outras questões. Está em italiano mas podemos entender parte. As questões e respostas estão traduzidas abaixo.



Os meninos então foram apresentados à Martina, uma garota de 12 anos de idade. Depois das apresentações feitas, foram perguntados sobre o que mais gostavam nela.

Eles foram totalmente gentis. As respostas:

"Eu gosto de seus olhos."

"Seus sapatos, suas mãos."

"Seus olhos, seu cabelo."

"Só o cabelo dela, eu juro!"

"Tudo!"

"Você é uma menina bonita."

"Eu gostaria de ser seu namorado."

Então foram incentivados a demonstrar algum carinho. Todos foram cavalheiros e até tímidos, tocaram-na no ombro, no rosto.

Até que foram ordenados que dessem um tapa bem forte nela.

Assista a reação de cada um. Eles ficaram confusos, tristes e atônitos.

Em unanimidade, todos disseram que não iriam fazê-lo.

Perguntados o porquê, eles responderam:

"Por quê? Porque ela é uma menina, eu não posso fazer isso."

"Porque não devemos bater em meninas."

"Eu não quero machucá-la."

"Jesus não quer que batamos nos outros."

"Primeiro de tudo, eu não posso bater nela porque ela é bonita, e ela é uma menina."

"Porque eu sou contra a violência."

"Como diz o ditado: "Meninas não devem apanhar, nem mesmo com uma flor ... ou um buquê de flores "

"Porque é ruim."

"Por quê? Porque eu sou um homem."

Isso nos prova que a violência não é natural. Seja vinda de homens ou de mulheres. Ou seja, é aprendida.

Homens e mulheres que hoje abusam de seus cônjuges seja física, emocional ou sexualmente, na maioria dos casos provavelmente aprenderam com outros, geralmente vendo um pai bater em sua mãe, uma mãe gritar horrores com o pai.

As estatísticas são assustadoras em relação à violência doméstica. Nos Estados Unidos, 1 em cada 4 mulheres sofrem violência doméstica pelo menos em um relacionamento durante sua vida. Na América Latina onde o Brasil se inclui, os números são ainda piores, 1 em cada 2 mulheres.

Um pai ou mãe que bateu demais nos filhos, provavelmente apanhou muito quando criança, e assim por diante. Por mais que se deteste isso na vida, tende-se a repetir o comportamento mesmo inconscientemente. Ou seja, se qualquer outro adulto lhe ensinou a conseguir algo pela força, impondo medo e abuso, você repetirá em alguma situação.

Todos nós podemos parar o ciclo do abuso e viver uma vida plena.

Por quê?

Porque somos seres humanos.

Fonte: familia.com.br


             ♥~~Bárbara Duarte~~


2 comentários:

  1. Nossa esse vídeo é incrível. Meninos tendo uma atitude exemplar de um cavalheiro
    Os cavalheiros não morreram. uhuull. O mundo tem esperança.
    Em mulher não se bate nem com uma flor, ou no caso que o menino disse, nem com um
    buquê...♥

    ResponderExcluir
  2. Que vídeo lindo, os meninos se recusaram a bater nela. Eles acharam estranho
    e ficaram confusos, tadinho deles kkkk. Não se bate em mulher. Ainda bem que
    eles são mini-cavalheiros. Amém. Deus abençoe :)

    ResponderExcluir

Você tem plena liberdade para comentar. Só siga algumas regras:

NÃO serão aceitos comentários que:

→ Forem desagradáveis ou conterem insultos e xingamentos;
→ Desviarem do assunto;
→ Contiverem LINKS, SPAM, endereços eletrônicos;
→ Usarem CAPS em excesso;
→ Conterem racismo, preconceito e intolerância religiosa.
→ Eu peço aos meus leitores que se inscrevam no blog, na opção "Participar deste site'', para que o avatar de vocês
apareça quando vocês fizerem seus comentários.
Não estou mendigando seguidores é só um pequeno aviso.