Breaking News
Loading...
terça-feira, 4 de março de 2014

“A ordenar acerca dos que choram em Sião que se lhes dê uma grinalda em vez de cinzas, óleo de gozo em vez de pranto, vestidos de louvor em vez de espírito angustiado; a fim de que se chamem árvores de justiça, plantação do Senhor, para que ele seja glorificado” Isaías 61:3.

A festa mais popular do Brasil, o carnaval, originalmente, consistia em festas populares oriundas de ritos e costumes pagãos. Caracteriza-se pela alegria desabrida, pela eliminação da repressão e da censura, pela liberdade de atitudes críticas e eróticas.

O antigo carnaval familiar, de salão, de algumas décadas atrás foi cedendo lugar à festa descrita acima. Como espelho de uma sociedade decadente e dominada pelo misticismo, tornou-se uma festa religiosa onde os sambas enredo, em sua grande maioria, glorificam os deuses pagãos, entidades e Orixás. Todo o desejo da carne se torna lícito, toda repressão e censura deve desaparecer.
É um tempo frutífero para Satanás e suas hostes; os estragos desses quatro dias em muitas vidas são irreversíveis.
Para o cristão, que naturalmente se afasta disso tudo, ficam duas grandes lições dessa festa:

1. Todo excesso e pecado são feitos conscientemente porque, segundo muitos acreditam, o ritual na quarta-feira de cinzas concederá o perdão e absolvição. Exagera-se, confiando que esse momento de penitência será suficiente para apagar tudo o que foi feito, mesmo que de caso pensado.
Temos, muitas vezes, como cristãos nos utilizado de uma quarta-feira de cinzas à nossa moda. Ela se encontra em I João 1:9:

“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda a injustiça”. I João 1:9

Exageramos nas vezes que pecamos e continuamos na prática dos mesmos pecados confiando que tantas vezes quantas recitarmos esse versículo estaremos seguros, esquecendo-nos de que o verso anterior nos alerta para o fato de que o cristão verdadeiro deve ?andar na luz?; o pecado em sua vida deve ser um acidente de percurso e não uma prática diária e consciente. Se agirmos assim pouca diferença haverá entre a nossa prática e o ritual da quarta-feira de cinzas que tanto condenamos.
Essa palavra é uma benção e deve tornar-se uma realidade na vida de todo cristão, mas como toda a palavra de Deus, só tem valor se for corretamente utilizada.

2. O carnaval é uma figura da vida do homem sem Deus: um ano inteiro de preparativos, muita cor, luz, entusiasmo, para terminar na quarta-feira de cinzas, retornando à triste realidade da falta de paz, de dinheiro, de amor, da miséria material e espiritual que domina grande parte do nosso povo. Assim acontece nas várias áreas de sua vida: casamento, sociedades, relacionamentos, amizades. Tudo começa com o fogo do entusiasmo, da alegria, mas por causa das paixões incontroláveis que há no íntimo de cada um a tendência é que as situações se deteriorem.
O caminho do cristão é inverso: ao encontrar-se com Cristo o homem que realmente se converte ao Senhor passa pela mesma experiência que o apóstolo Paulo passou por ocasião de sua conversão no caminho de Damasco: cai por terra. Passa pela experiência do arrependimento, experimenta o pó e as cinzas para então começar a viver uma vida de alegria que não se resume a 4 dias. Parte das cinzas e vai em direção ao fogo da presença do Senhor.

Continua...

0 comentários:

Postar um comentário

Você tem plena liberdade para comentar. Só siga algumas regras:

NÃO serão aceitos comentários que:

→ Forem desagradáveis ou conterem insultos e xingamentos;
→ Desviarem do assunto;
→ Contiverem LINKS, SPAM, endereços eletrônicos;
→ Usarem CAPS em excesso;
→ Conterem racismo, preconceito e intolerância religiosa.
→ Eu peço aos meus leitores que se inscrevam no blog, na opção "Participar deste site'', para que o avatar de vocês
apareça quando vocês fizerem seus comentários.
Não estou mendigando seguidores é só um pequeno aviso.